Cientistas pedem que você pare de trocar de celular

Cientistas pedem que você pare de trocar de celular

O uso de elementos químicos na produção de celulares coloca em escassez os recursos naturais da Terra

São Paulo – Em 2019, a tabela periódica comemorou seu aniversário de 150 anos. Em decorrência disso, cientistas fizeram uma nova versão onde a crescente escassez de elementos utilizados diariamente é destacada. Alguns deles foram os metais prata, gálio, arsênio e cobalto – todos utilizados na produção de aparelhos eletrônicos, como os celulares.

Por exemplo, um único iPhone pode conter 25 gramas de alumínio, 15g de cobre e 0,34g de prata. Se em 2017 mais de 223 milhões de smartphones da Apple foram vendidos, cerca de 5,5 milhões de gramas de alumínio foram utilizadas. Levando em conta que o ciclo de vida de um iPhone dura, em média, dois anos, essas milhões de gramas já estão sendo substituídas por outras milhões.

A tabela abaixo, desenvolvida por estudiosos da Universidade de St Andrews, na Escócia, e da European Chemical Society, categoriza todos os elementos químicos a partir da sua disponibilidade no planeta Terra. Os mais conhecidos, como alumínio, oxigênio, sódio, entre outros, estão em destaque na parte de cima.

Laranja-escuro: grande ameaça de escassez nos próximos 100 anos; Laranja-claro: risco de escassez aumentando; Amarelo: disponibilidade limitada; Verde: estoque abundante; Branco: sintéticos; Cinza: minerais presentes em locais de guerra; Os elementos que possuem o telefone celular são utilizados na produção destes. Crédito: Universidade de St, Andrews/EuChemS

Laranja-escuro: grande ameaça de escassez nos próximos 100 anos; Laranja-claro: risco de escassez aumentando; Amarelo: disponibilidade limitada; Verde: estoque abundante; Branco: sintéticos; Cinza: minerais presentes em locais de guerra; Os elementos que possuem o telefone celular são utilizados na produção destes. Crédito: Universidade de St, Andrews/EuChemS (/)

A divisão por cores facilita a identificação de elementos que estão em perigo e daqueles cuja disponibilidade ainda é grande. Os pesquisadores ressaltaram que os recursos, no entanto, não se esgotarão literalmente. O que tende a acontecer é que a colheita desses metais e minerais se tornará mais difícil, visto que estarão mais espalhados em poucas quantidades pelo mundo.

Dos metais bastante ameaçados, os pesquisadores destacam o fósforo (P), o índio (In) e o Lítio (Li). O índio é usado em telas inteligentes como parte de uma película condutora transparente de óxido de estanho e índio. Com base nas taxas atuais de uso e colheita, o elemento será quase totalmente usado em 50 anos e, então, se tornará extremamente caro.

Já o fósforo é utilizado especialmente no corpo humano – como para a formação de ossos e dentes. Uma parte significativa dos minerais de fosfato que usamos acaba em escoamento de campos ou esgoto humano. O lítio é usado em baterias recarregáveis ​​e é relativamente fácil de reciclar.

A tabela periódica modificada foi divulgada em 22 de janeiro no Parlamento Europeu, pelos parlamentares britânicos Catherine Stihler e Clare Moody.

Adicionar aos favoritos o Link permanente.
bbraga

Sobre bbraga

Atuo como professor de química, em colégios e cursinhos pré-vestibulares. Ministro aulas de Processos Químicos Industrial, Química Ambiental, Corrosão, Química Geral, Matemática e Física. Escolaridade; Pós Graduação, FUNESP. Licenciatura Plena em Química, UMC. Técnico em Química, Liceu Brás Cubas. Cursos Extracurriculares; Curso Rotativo de química, SENAI. Operador de Processo Químico, SENAI. Curso de Proteção Radiológica, SENAI. Busco ministrar aulas dinâmicas e interativas com a utilização de Experimentos, Tecnologias de informação e Comunicação estreitando cada vez mais a relação do aluno com o cotidiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *