Atividade 1 – Etapas de Tratamento da água

CONTEÚDOS E TEMAS: Etapas de Tratamento da água.

COMPETÊNCIA E HABILIDADES.

Compreender a necessidade de tornar a água potável; conhecer procedimentos para seu tratamento, aplicando conceitos e processos como separação de sistema heterogêneos, solubilidade e transformação química; organizar e interpretar informações sobre o tratamento e consumo de água para refletir sobre o uso consciente da água e tomar suas decisões dentro dos limites, a esse respeito, Identificar os processos físicos e químicos que ocorrem durante o tratamento de água; Dimensionar o tratamento de água e a preservação do meio ambiente; Compreender a importância da química no tratamento de água.

Purificação de Água – Fundamentos

Purificação de água significa livrar a água de impurezas, contaminantes ou microrganismos. A purificação da água não é um processo unilateral e passa por muitas etapas determinadas pelo tipo e variedade de impurezas encontradas.

decantação/separação física, por exemplo, separar os sólidos ou faz flutuar os óleos; vários processos físico-químicos de separação podem ser utilizados; microrganismos perigosos são removidos por Cloração ou por Radiação Ultravioleta. Outros microrganismos, entretanto, podem ser usados para o tratamento da água porque convertem contaminantes em substancias inofensivas.

Sequência de Tratamento de Água

 

As etapas são:

Pré-cloração – Primeiro, o cloro é adicionado assim que a água chega à estação. Isso facilita a retirada de matéria orgânica e metais.

Pré-alcalinização – Depois do cloro, a água recebe cal ou soda, que servem para ajustar o pH* aos valores exigidos nas fases seguintes do tratamento.

*Fator pH –O índice pH refere-se à água ser um ácido, uma base, ou nenhum deles (neutra). Um pH de 7 é neutro; um pH abaixo de 7 é ácido e um pH acima de 7 é básico ou alcalino. Para o consumo humano, recomenda-se um pH entre 6,0 e 9,5.

 Coagulação – Nesta fase, é adicionado sulfato de alumínio, cloreto férrico ou outro coagulante, seguido de uma agitação violenta da água. Assim, as partículas de sujeira ficam eletricamente desestabilizadas e mais fáceis de agregar.

Floculação – Após a coagulação, há uma mistura lenta da água, que serve para provocar a formação de flocos com as partículas.

Decantação – Neste processo, a água passa por grandes tanques para separar os flocos de sujeira formados na etapa anterior.

Filtração – Logo depois, a água atravessa tanques  formados por  pedras, areia e carvão antracito. Eles são responsáveis por reter a sujeira que restou da fase de decantação.

Pós-alcalinização – Em seguida, é feita a correção final do pH da água, para evitar a corrosão ou incrustação das tubulações.

Desinfecção – É feita uma última adição de cloro no líquido antes de sua saída da Estação de Tratamento. Ela garante que a água fornecida chegue isenta de bactérias e vírus até a casa do consumidor.

Fluoretação – O flúor também é adicionado à agua. A substância ajuda a prevenir cáries.

Tratamento biológico da água

Quando bactérias aeróbias são usadas para purificar a água é preciso oxigenar o reator para que elas convertam os poluentes em dióxido de carbono (CO2) e água (H2O). Quando bactérias anaeróbias são usadas, o oxigênio passa a ser um problema. Este tipo de bactéria além de dióxido de carbono e água, produz metano (CH4) em seus processos de degradação biológica.

Fertilizantes como os fosfatos podem ser removidos com a adição de outro produto químico, usualmente o ferro, para que a reação produza um sólido precipitável e possa ser retirado por filtração.

Remoção de amônia e conversão a nitratos é um pouco mais complicado e inclui tratamentos com bactérias aeróbias e anaeróbias em sequencia. No processo aeróbio entram dois tipos de bactérias a Nitrossomonas e a Nitrobacter. Embora o nitrato não seja exatamente tóxico para a maioria dos peixes o incremento deste elemento pode chegar a níveis indesejáveis propiciando o desenvolvimento de algas verdes (cianofíceas). Para evitar o problema, o tratamento biológico deve continuar e transformar o nitrato em Nitrogênio gás (N2) para então retornar à atmosfera.

http://site.sabesp.com.br/site/imprensa/noticias-detalhe.aspx?secaoId=65&id=7566

Adicionar aos favoritos o Link permanente.
bbraga

Sobre bbraga

Atuo como professor de química, em colégios e cursinhos pré-vestibulares. Ministro aulas de Processos Químicos Industrial, Química Ambiental, Corrosão, Química Geral, Matemática e Física. Escolaridade; Pós Graduação, FUNESP. Licenciatura Plena em Química, UMC. Técnico em Química, Liceu Brás Cubas. Cursos Extracurriculares; Curso Rotativo de química, SENAI. Operador de Processo Químico, SENAI. Curso de Proteção Radiológica, SENAI. Busco ministrar aulas dinâmicas e interativas com a utilização de Experimentos, Tecnologias de informação e Comunicação estreitando cada vez mais a relação do aluno com o cotidiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *